Resultados de: agosto, 2016

Como Fazer uma Pesquisa de Clima Organizacional

A preocupação com o clima é tão importante que deve ser meta de qualquer gerente de pessoas.

O clima organizacional está entre os principais pilares para o crescimento de uma empresa, por uma razão óbvia: clima bom -> colaboradores engajados -> valorização do trabalho -> que propicia um clima inovador -> vantagens competitivas -> geração de valor para o negócio.

É claro que um bom clima por si só não traz inovação, mas sem um bom clima na empresa você não faz inovação. Inovação é um diferencial competitivo para qualquer negócio e quem inova são pessoas e não máquinas. A preocupação com o clima é tão importante que deve ser meta de qualquer gerente de pessoas (Recursos Humanos). Acredito que já tenham ouvido falar na Pirâmide de Maslow.

Mas, falando de forma prática, como as pequenas e médias empresas podem trabalhar e inserir um bom clima organizacional? Vamos lá:

1. Os diretores e acionistas devem estar sensibilizados da importância do clima para a empresa. Não como custo, mas como investimento que traz geração de riqueza;

2. A equipe de Gestão de Pessoas deve planejar e buscar indicadores que deseja acompanhar, os aspectos e atributos que querem analisar.  Definir a parametrização de perguntas e respostas. Todo este planejamento e definição devem estar vinculados com os valores, missão, visão e planejamento estratégico da empresa.

3. Aferir clima por meio de pesquisas junto aos colaboradores. Para as empresas que possuem internet e computadores para toda a equipe de trabalho, sugiro que usem para preparar a pesquisa os sites abaixo: http://pt.surveymonkey.com ou www.equestiona.com. Fazer a pesquisa com o uso da internet facilita a tabulação de dados. Os que possuem dúvida sobre o que inserir na pesquisa, recomendo partir da lista da Revista Exame/Você S/A (veja aqui) e da Revista Época/GPTW (veja aqui). Vejam, na lista abaixo, alguns modelos prontos disponíveis na internet, para ter uma ideia de modelos.

4. Com o resultado da pesquisa em mãos, vocês terão indicadores reais de como está o clima de sua empresa. Assim, poderão trabalhar de forma direcionada os trabalhos, propor mudanças, vincular benefícios com metas. Um trabalho que deve ser coordenado pela equipe de Gestão de Pessoas, com a participação de todos os líderes e apoio dos acionistas. Lembrando que ouvir o que é solicitado é importante, porém, é mais importante “dar” o que realmente é necessário.

5. Divulguem o resultado para toda a empresa;

6. Monitorem o clima (com nova aplicação da pesquisa) a cada 6 meses. Comparem com o resultado anterior. Vincule com uma meta do gerente de pessoas, por exemplo, manter clima organizacional acima de XX%.

A cada resultado da pesquisa de clima, é fundamental o departamento de Gestão de Pessoas, analisar profundamente os resultados obtidos e propiciar de forma pontual com os líderes as mudanças a serem trabalhadas por toda a empresa.

Nas perguntas abertas, haverá sugestão de melhorias e benefícios a serem implantados. Para uma pequena ou média empresa, recomendo: comecem aos poucos, com um ou dois benefícios, e vinculem os mesmos com metas e resultados. Tudo que é ganho de forma fácil não é valorizado. Tem de ser conquistado pelos colaboradores. Dessa forma, usem o endomarketing de modo eficiente na divulgação e clareza nas regras dos benefícios, caso esteja vinculado com alguma regra. Assim, trabalharão a transparência.

Modelos de pesquisas de clima organizacional.

Modelo 1 – clique para acessar

Modelo 2 – Clique para acessar

Modelo 3 – Clique para acessar

Um bom clima é um investimento para a empresa. Diminui absenteísmo, melhora o trabalho em equipe, valoriza o trabalho das pessoas, diminui turnover, aumenta a participação, propicia clima inovador, melhora produtividade, valoriza a empresa, gera valor, enfim, os benefícios são extraordinários.

É claro que foi apresentado apenas um resumo, pois sei que vocês, colegas empreendedores, gostam de coisas práticas, para se ter uma visão geral do processo. No entanto, há todo um trabalho envolvido nisso que o departamento de Gestão de Pessoas deve se aprofundar. Sucesso a todos!

Ricardo Nantes

O Guia para iniciantes de Teste A/B no e-Commerce

Com a evolução do mercado de marketing online nos últimos anos, as ferramentas para testes A/B passaram de programas complicados para programas de uso diário dentro de diversas empresas que utilizam a internet como principal canal de vendas.

Dentro do comércio online o cenário não é diferente. Diversas lojas virtuais já perceberam que ter milhares de acessos orgânicos não é suficiente para garantir sua estabilidade e crescimento. O que importa é qualidade do tráfego e o quanto este é convertido em vendas.

Apesar disso, muitos ainda não sabem como dar os primeiros passos para realizar testes A/B dentro do e-Commerce. Por isso, neste artigo vou te explicar como dar os primeiros passos para fazer testes na sua loja virtual.

Vamos começar?

Afinal, o que é teste A/B?

Basicamente, o teste A/B é um método para medir as duas versões distintas de um elemento da sua página. Observando e medindo a interação dos seus usuários com estes dois tipos de versões da sua página, você descobre qual é a melhor para o usuário realizar algum tipo de conversão como:

  • Preencher um formulário;
  • Clicar em um botão;
  • Compartilhar a página no Facebook;
  • Efetuar uma compra;
  • E muitos outros.

Para descobrir qual versão é a melhor, você deve testar as duas versões da sua página ao mesmo tempo e expor as páginas ao mesmo tipo de tráfego. Por exemplo, se você está fazendo o teste A/B em uma página de produto, deve considerar uma página que possui visitas de tráfego pago e gratuito e nunca isolar uma página para cada tipo de tráfego.

Que tipos de testes posso fazer na minha loja virtual? 

Dentro de uma loja virtual o processo é bem simples. Quais são os pontos de interação do seu usuário trazer mais retorno financeiro ao seu site? Se você está fazendo os seus primeiros testes a/b pode começar com estes elementos, por exemplo:

1. Botões de compra

O botão de comprar agora, talvez seja o call to action mais importante de uma loja virtual e, por isso, deve ser testado e validado continuamente até gerar resultados satisfatórios.

Muitas vezes, ele pode não ser tão visível aos seus usuários, ou não ser tão motivador para levar os usuários para a ação. Existem diversos elementos do botão que você pode testar, são eles:

  • Cores e tamanhos;
  • Localização na página;
  • Texto.

2. Checkout de carrinho

Um formulário complicado, um botão confuso ou um cadastro desnecessário são situações que transformam o abandono do carrinho de compras em uma ação comum no comércio eletrônico. Usar testes a/b para otimizar este processo é uma maneira inteligente e eficaz para combater este mal.

Os elementos mais comuns para testar dentro de uma página de checkout são:

  • Remoção de dados de formulário;
  • Símbolos e imagens que geram segurança ao usuário.

 3. Preços

Mudar e testar a estratégia de preços de determinado produto pode ser muito eficaz para que o usuário efetive uma compra. Diminuir o preço em relação a produtos de concorrentes, diminuir o preço para dias ou campanhas específicos e até mesmo aumentar o preço de um produto, pode alterar toda a percepção de valor do cliente em relação à sua loja.

Os testes mais comuns de preço são:

  • Localização do preço dentro da página de produto;
  • Centavos que aparecem junto ao preço total (R$10,95/ R$10,98/ R$10,97).

4. Display dos produtos

Quais produtos são apresentados na sua página inicial ou em alguma página de categoria específica? Quais produtos dispostos diminuem a taxa de rejeição do site? Estas são algumas perguntas que você pode responder de maneira segura ao realizar um teste a/b com a posição dos produtos dentro das páginas. 

Seus usuários podem responder de diversas maneiras e, com estes tipos de testes, você alimenta sua equipe de compras com dados precisos sobre quais produtos devem ser priorizados no estoque com o objetivo de encontrar o mix de produto ideal.

Os testes mais comuuns sobre os displays dos produtos são:

  • Quantidade de produtos na página;
  • Produtos mais vendidos X Produtos novos;
  • Quantidade de produtos apresentados nos resultados de busca interna.

Palestra sobre testes a/b no e-Commerce

Para finalizar este artigo, trouxe uma palestra completa minha, também sócio da OPT3, sobre testes a/b em lojas virtuais. Confiram:

 

 

Alvaro Vasques